Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Para mais informações, acesse o nosso Aviso Externo de Privacidade.

O que é o suplemento de vitamina A? Para que serve? Quando tomar?

27/05/2022 suplemento-de-vitamina-a

A suplementação é uma alternativa válida para complementar a alimentação e garantir a ingestão de nutrientes essenciais para nossa saúde e bem-estar.  

Por isso, hoje falaremos sobre o suplemento de vitamina A, mostrando quais seus efeitos conhecidos e como ele pode nos beneficiar, inclusive no fortalecimento da imunidade. 

Antes disso, vamos conhecer melhor a vitamina A e para que ela serve, além de listar alimentos de origem animal e vegetal que podem ser utilizados como fontes desse nutriente. Continue lendo! 

O que é a vitamina A? 

vitamina A é um micronutriente essencial para a saúde dos olhos e regeneração de tecidos no corpo humano. O organismo não é capaz de produzi-la naturalmente, por isso, é necessário ingerir alimentos ricos em vitamina A para suprir as necessidades desse componente. 

De modo geral, é possível encontrá-la em duas variações principais, como retinol em alimentos de origem animal ou provitamina A em vegetais. Vale mencionar ainda que se trata de uma vitamina lipossolúvel, o metabolismo usa reservas de gordura no corpo para quebrar e realizar a síntese desse nutriente. 

Vitamina A serve para que? 

Conhecendo melhor a vitamina A, é hora de vermos para que ela serve, ou seja, quais benefícios podem ser observados ao manter o consumo regular e bons níveis de reserva dessa substância em nosso organismo. 

Assim, os principais benefícios da vitamina A incluem: 

  • Efeito antioxidante; 
  • Auxilia na recuperação de inflamações; 
  • Desenvolve e fortalece o sistema imunológico 
  • Formação de tecidos e renovação celular; 
  • Manutenção da visão e tecidos oculares; 
  • Estimula a produção de colágeno; 
  • Atua no controle dos níveis de gordura corporal; 
  • Essencial para o desenvolvimento embrionário e infantil. 

Para começar, a vitamina A participa ativamente do desenvolvimento embrionário durante a gestação, já que ela é fornecida da mãe para o feto, utilizada então para a formação de tecidos diversos do corpo humano, como pele, olhos, tendões, músculos e outros. 

Essa função continua sendo observada durante o crescimento infantil, inclusive no desenvolvimento do sistema imunológico, onde a vitamina estimula a produção de células de defesa e melhora a capacidade que temos em detectar e iniciar o combate à microrganismos invasores. 

Isso também ocorre devido ao potencial da vitamina A como anti-inflamatório e antioxidante, o que significa que ela serve para prevenir os efeitos nocivos dos radicais livres e também auxilia na preservação dos tecidos. 

É comum, por exemplo, que suplementos de vitamina A façam parte do tratamento indicado para quadros de inflamação, já que ela ajuda a preservar e regenerar a área afetada. 

A vitamina A tem um papel fundamental na saúde dos olhos. Ela participa da formação da retina, córneas e tecido conjuntivo, além de preservá-los e regenerá-los continuamente, atuando para combater variados problemas de visão, como hipersensibilidade à luz, cegueira e outros. 

Por fim, temos o uso da vitamina A para nutrir a produção de colágeno no corpo humano, uma proteína que promove a formação de tecidos fortes e elásticos, fatores essenciais para evitar lesões.  

Alimentos ricos em vitamina A

Podemos dividir os alimentos ricos em vitamina A em duas categorias principais, aqueles de origem animal e outros de origem vegetal. Dessa forma, temos a seguinte lista: Antes de considerar a suplementação de vitamina A, é importante observar quais fontes desse nutriente são mais acessíveis e podem fazer parte da sua dieta.  

Alimentos ricos em vitamina A 
Origem animal  Origem vegetal 
Fígado bovino  Cenoura 
Vísceras de frango  Batata doce 
Gema de ovos  Espinafre 
Leite e derivados  Manga 
Óleo de fígado de bacalhau  Pimentão 
Frutos do mar (Ostras e mariscos)  Mamão 

Importante destacar que entre as fontes de origem animal, vísceras grelhadas são a melhor forma de manter as concentrações do nutriente no alimento. Para o consumo de vegetais ricos em vitamina A, ideal é optar por consumi-los crus quando possível, para não perder o nutriente no cozimento. 

Também é importante mencionar que o leite materno é a principal fonte de vitamina A para bebês até os dois anos de idade, ou seja, até mesmo depois da introdução alimentar. Por isso, tão importante quanto a amamentação é garantir que a mãe consuma bastante desse nutriente para suprir ambas as demandas. 

Quantidade recomendada de vitamina A 

A demanda por vitamina A pode subir e descer com o passar dos anos, refletindo diferentes necessidades do organismo durante o seu desenvolvimento, além de apresentar variações de acordo com o gênero. 

Nesse caso, as recomendações mínimas de ingestão diária de vitamina A são: 

  • Até 6 meses de idade: 400 microgramas; 
  • Entre 6 e 12 meses: 500 microgramas; 
  • 1 a 3 anos: 300 microgramas; 
  • 4 a 8 anos: 400 microgramas; 
  • 9 a 13 anos: 600 microgramas; 
  • Mulheres acima de 14 anos: 700 microgramas; 
  • Homens acima de 14 anos: 900 microgramas; 
  • Gestantes: 770 microgramas; 
  • Lactantes: 1300 microgramas. 

Suplemento de vitamina A: quando e como tomar? 

Muitos fatores podem dificultar a manutenção dos níveis desse nutriente somente com a dieta. Quem não pode ou não consegue planejar as refeições pode não atender a demanda com a alimentação, assim como condições metabólicas que impeçam sua absorção integral. 

Entre os fatores que podem provocar a carência de vitamina A, temos: 

  • Desmame precoce ou dificuldade em fornecer leite materno para o bebê; 
  • Baixo consumo de alimentos ricos em vitamina A; 
  • Baixo consumo de alimentos com gordura, necessária para promover a absorção de vitamina A, assim como outros nutrientes lipossolúveis (vitaminas D, E e K, por exemplo); 
  • Quadros frequentes de infecção, que podem prejudicar o apetite e consumir rapidamente as reservas de vitamina A no organismo. 

Dessa forma é possível ocorrer uma deficiência de vitamina A, que pode causar problemas diversos, como cegueira noturna, problemas de córnea, dificuldade de cicatrização e renovação celular, além de baixa imunidade, já que o corpo não conta com a vitamina A para manter a capacidade de combater invasores e as doenças causadas por eles. 

Nesses casos, pode ser necessário usar um suplemento de vitamina A para complementar a alimentação e garantir a ingestão diária desse nutriente, bem como o aproveitamento integral dos seus benefícios. 

Ao perceber sinais de imunidade baixa, como ficar doente com muita frequência, sensação de fraqueza e indisposição, é recomendado procurar atendimento médico. Assim, podem ser realizados exames de sangue para detectar carência de nutrientes essenciais, como é o caso da vitamina A. 

A partir daí, o médico pode recomendar o uso de suplementos alimentares com vitamina A e outros nutrientes, a fim de suprir a carência do organismo.  

De todo modo, a vitamina A serve para ajudar na imunidade e manter o corpo saudável. Precisamos de reservas desse nutriente para combater doenças e manter a renovação celular em dia.  

Quando a alimentação não dá conta de atender a demanda, o suplemento de vitamina A é uma alternativa válida e eficaz de garantir sua ingestão, consequentemente promovendo o acesso aos seus benefícios para a saúde.

As crianças estão gripadas? Tem Benegrip Multi!

Imagem ilustrativa com a embalagem do produto Benegrip Multi. Em fundo verde limão, com o texto escrito

Benegrip Multi é um antigripal líquido desenvolvido especialmente para as crianças a partir de 2 anos!
Em sabor frutas vermelhas, sua formulação combina a ação de três ativos que ajudam a combater os principais sintomas de gripes e resfriados que atingem as crianças.

Paracetamol: alívio das dores e febre
Fenilefrina: descongestionante nasal
Carbinoxamina: antialérgico que ajuda a aliviar a coriza

Benegrip Multi: pode ser usado em crianças a partir de 2 anos*. Clique aqui e saiba mais!
*Medicamento não deve ser utilizado no tratamento de bebês até 2 anos de idade, somente para crianças acima dessa idade.