string(338) "SELECT * FROM ctas INNER JOIN tipo_conteudos ON tipo_conteudos.idConteudos = ctas.tipoConteudoCta INNER JOIN projetos ON projetos.idProjeto = tipo_conteudos.idConteudos INNER JOIN rel_ctas_posts ON rel_ctas_posts.relCta = ctas.idCta INNER JOIN posts ON rel_ctas_posts.relPost = posts.idPost WHERE ctas.idConteudos="16" AND relPost="1791";" Calendário de vacinas para crianças: guia prático

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Para mais informações, acesse o nosso Aviso Externo de Privacidade.

Calendário de vacinas para crianças: guia prático

23/06/2022 Vacinas para crianças

O sistema imunológico de bebês e crianças é como uma folha em branco - tabula rasa - que precisa ser preenchida pouco a pouco com informações. As vacinas para crianças são essas informações necessárias para a manutenção da saúde.

A vacina para bebês e crianças é a maneira mais segura de profilaxia. Elas previnem e protegem a frágil saúde de muitas doenças que podem causar sequelas graves e até mesmo serem fatais.

Para quem ainda não entende muito bem como funcionam as vacinas, aqui vai um breve resumo. Trata-se de uma substância que pode ser ingerida ou injetada e que contém fragmentos do vírus ou bactéria. Esses pedaços podem estar ativos ou inativos.

Assim que o organismo da criança entra em contato com a vacina, o sistema imunológico entra em ação e começa a produzir as defesas (anticorpos). Sendo assim, caso a criança vacinada entre em contato com a doença, o corpo estará preparado para combater e, muitas vezes, a pessoa nem percebe que entrou em contato com o vírus ou bactéria.

De uma forma mais simples, pense que o organismo da criança funciona como um condomínio fechado. Cada um que entra (vírus e bactérias inoculados por meio da vacina) é registrado na portaria (sistema imunológico).

Em uma próxima visita (infecção), o condomínio sabe quem está lá e como receber de forma apropriada, pois já existe um registro.

Agora ficou mais fácil, não é mesmo? Mas quais são as principais vacinas para crianças? Quando vacinar?

Calendário de vacinas para crianças de 0 a 10 anos

De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), existe um protocolo a ser seguido visando a imunização dos pequenos. E tudo começa no mesmo dia do nascimento, o bebê já recebe a dose da BCG.

Confira abaixo a lista de vacinas para criança e fique atento às datas.

BCG ID

Quando vacinar: dose única ao nascer.

Hepatite B

Quando vacinar: ao nascer, aos 2 e 3 meses de vida

Tríplice bacteriana (DTPw ou DTPa)

Quando vacinar: aos 2, 4 e 6 meses. As doses de reforço são ministradas aos 15 e 18 meses, 4 e 5 anos.

Haemophilus e influenzae b

Quando vacinar: aos 2, 4 e 6 meses. As doses de reforço são ministradas aos 15 e 18 meses.

Poliomielite (vírus inativados)

Quando vacinar: aos 2, 4 e 6 meses. As doses de reforço são ministradas aos 15 e 18 meses, 4 e 5 anos.

Rotavírus

Quando vacinar: aos 2 meses. Podem ser ministradas duas ou três doses. Isso vai depender da vacina utilizada. Mas não se preocupe, o profissional de saúde saberá orientar você e o seu bebê da melhor forma.

Pneumocócicas conjugadas

Quando vacinar: aos 2 meses. Podem ser ministradas duas ou três doses. Isso vai depender da vacina utilizada. Mas não se preocupe, o profissional de saúde saberá orientar você e o seu bebê da melhor forma. A dose de reforço será dada aos 12 e aos 15 meses.

Meningocócicas conjugadas ACWY/C

Quando vacinar: aos 2 e 5 meses. As doses de reforço serão aplicadas aos 12 e 15 meses, 5 e 6 anos.

Meningocócica B

Quando vacinar: aos 2 e 5 meses. As doses de reforço serão aplicadas aos 12 e 15 meses.

Influenza (gripe)

Quando vacinar: são doses anuais que podem ser ministradas a partir dos 6 meses de vida.

Poliomielite oral (vírus vivos atenuados)

Quando vacinar: a partir dos 2 meses de vida, com mais duas doses aos 4 e 6 meses, além dos reforços entre 15 e 18 meses e aos 5 anos de idade.

Febre amarela

Quando vacinar: aos 9 meses e aos 4 anos.

Hepatite A

Quando vacinar: aos 12 e 18 meses de vida.

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)

Quando vacinar: primeira dose aos 12 meses e a segunda dose entre os 15 e 24 meses.

Varicela (catapora)

Quando vacinar: primeira dose aos 12 meses e a segunda dose entre os 15 e 24 meses.

HPV

Quando vacinar: aos 9 anos.

Vacina tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa)

Quando vacinar: aos 9 anos.

Dengue

Quando vacinar: dos 9 aos 45 anos. Até março de 2022, essa vacina é indicada apenas para aqueles que já tenham sido infectados por pelo menos um dos sorotipos da dengue e que moram em áreas em que essa infecção é mais comum.

Covid-19

Quando vacinar: até março de 2022, a vacina da covid para crianças pode ser ministrada a partir dos 5 anos de idade. Doses reforço serão informadas pelo profissional de saúde.

Reações adversas às vacinas para crianças

Como já foi dito, a vacina é uma forma segura de introduzir vírus e bactérias para que o sistema imunológico produza anticorpos. Dessa forma, é comum que ocorra febre após a vacina.

Por isso, não fique alarmado, pois é uma reação normal. Também é comum que os bebês e as crianças fiquem um pouco manhosas e incomodadas. Em caso de dúvidas, não hesite em falar com o pediatra.

Apenas um médico pediatra poderá indicar um antitérmico adequado para seu pequeno se sentir melhor e baixar a febre. E, para ajudar no processo, não se esqueça de manter a criança bem hidratada. Forneça água, sucos e chás, além disso, repouso é bem-vindo para que a recuperação seja mais rápida.

Reações à vacina de Covid-19 em crianças

Essa é uma das grandes preocupações dos pais, reação grave à vacina. Tanto a Sociedade Brasileira de Imunização quanto a Sociedade Brasileira de Infectologia indicam a vacinação e falam que os benefícios superam os riscos.

Só para você ter uma ideia, até a presente data, de 8 milhões de doses aplicadas, apenas 11 crianças desenvolveram a inflamação, mas já foram tratadas e estão sadias.

Finalizando, agora você sabe sobre as vacinas para as crianças, quando aplicar e a reação mais comum que é a febre. Portanto, não há desculpas para não vacinar seu filho.

Consulte sempre um pediatra para você ter mais orientações.