Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Para mais informações, acesse o nosso Aviso Externo de Privacidade.

Reabilitação pulmonar: o que é? Para que serve? Como é feita?

13/05/2022 reabilitação pulmonar

O que é a reabilitação pulmonar? 

Reabilitação pulmonar é um programa de tratamento indicado predominantemente para pessoas que sofrem com uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), consistindo em orientação médica, exercícios e indicações para mudança de comportamento, visando aumentar a qualidade de vida e preservando a saúde do paciente. 

A reabilitação pulmonar serve para aliviar crises de falta de ar, elevar a tolerância do corpo para a prática de atividades físicas, estimular o bem-estar do paciente e, por meio desses benefícios, diminuir de hospitalização. 

Em meio à pandemia, vemos a aplicação do programa também para a recuperação pós-covid, visando aliviar o impacto da infecção e do tratamento em unidade intensiva, mesmo quando não ocorre a intubação. 

Por isso, é importante conhecer mais sobre a reabilitação pulmonar. Além de saber do que se trata, veremos ainda quando ela pode ser aplicada a fim de promover o bem-estar de uma pessoa e quais práticas compõem o programa.  

Quando a reabilitação pulmonar é indicada? 

De modo geral, a principal indicação da reabilitação pulmonar é para o tratamento de uma DPOC, doença pulmonar obstrutiva crônica, que é similar a um quadro de bronquite ou ainda enfisema pulmonar. Porém, nesse caso a doença é persistente e acompanha o paciente indefinidamente. 

Nesses casos, o risco é bastante elevado. O paciente pode parar de respirar, sofre com menor oxigenação no sangue e desenvolve maior tendência a inflamações. Com a diminuição da capacidade respiratória e do nível de oxigênio no organismo, podem ocorrer fraqueza muscular, fadiga, raciocínio lento e alta no risco de infarto e AVC. 

Embora histórico familiar de problemas pulmonares, tabagismo e exposição constante a gases tóxicos sejam os principais fatores de risco, outros eventos podem impactar o sistema respiratório e levar a necessidade de intervir com o programa de reabilitação pulmonar. 

Cirurgias para retirada de câncer no pulmão, transplantes e quadros infecciosos que afetam brônquios e alvéolos são os principais culpados. A covid-19 é um exemplo disso, já que pode ocorrer falta de ar crônica como uma de suas sequelas. 

Também é importante apontar que casos de internação em unidades de tratamento intensivo também podem necessitar dos exercícios de reabilitação pulmonar, já que é comum ocorrer fraqueza muscular, inclusive na estrutura que promove a respiração, bem como fadiga, indisposição e outros problemas. 

Por fim, vale citar que a aplicação do programa de reabilitação pulmonar pode ocorrer em casos de menor gravidade, até para agir de maneira preventiva e permitir que a pessoa consiga se exercitar e respirar com maior facilidade, o que irá estimular o organismo e diminuir o risco de complicações. 

Como é feito a reabilitação pulmonar? 

Sabendo o que é a reabilitação pulmonar, é hora de entender como ela é executada. Em primeiro lugar, é importante apontar que esse tratamento é aplicado em um acompanhamento constante e pode incluir diferentes especialidades médicas. 

Como o tratamento pode contar com a necessidade de o paciente mudar certos hábitos, como parar de fumar, deixar o sedentarismo ou adotar uma dieta mais saudável, além de pneumologistas, fisioterapeutas e terapeutas respiratórios, nutricionistas e psicólogos podem fazer parte desse programa. 

Cada paciente também irá apresentar necessidades específicas, fazendo com que os objetivos e o próprio programa de reabilitação pulmonar mudem de pessoa para pessoa. No entanto, as práticas mais comuns inclusas no tratamento são: 

  • estímulo e treinamento da musculatura respiratória; 
  • prática controlada de atividades físicas; 
  • acompanhamento nutricional; 
  • aconselhamento com psicólogo; 
  • eletroestimulação neuromuscular; 
  • tratamento com medicação. 

Para entender como é feita a reabilitação pulmonar, vamos aprofundar as informações apresentadas sobre cada componente do programa. 

Treinamento da musculatura respiratória 

Consiste principalmente do treino dos músculos inspiratórios, ou seja, estímulo da musculatura que promove a inalação do ar durante a respiração. A prática envolve atividades aeróbicas e outros exercícios com aparelhos, para combater a deterioração e fortalecer a estrutura corporal. 

Além de exercícios durante as consultas, o médico também pode passar um programa de atividades para que o paciente faça em casa, já que é importante adotar uma rotina constante de estimulação para reforçar a capacidade respiratória. 

Prática de atividades físicas 

Em quadros de DPOC, é comum que o paciente tenha dificuldade em fazer atividades físicas, com falta de condicionamento e ficando cansado rapidamente, porém, a prática de exercícios é necessária para fortalecer o organismo, diminuir a sensação de falta de ar e melhorar a capacidade de se exercitar. 

Os exercícios de reabilitação pulmonar têm intensidade leve, trabalhando pernas e braços, para estimular a capacidade cardiorrespiratória, além de fortalecer a musculatura necessária para realização de tarefas de rotina, como tomar banho e lavar louça. 

Até mesmo atividades simples como essas podem causar fadiga e falta de ar em pessoas com problemas pulmonares. Por isso a orientação é relevante, já que permite trabalhar o condicionamento de forma segura. 

Vale ainda apontar que o programa de exercícios irá levar em consideração as limitações e necessidades do paciente, ou seja, será personalizado para trabalhar musculatura específica e superar dificuldades motoras. 

Acompanhamento nutricional 

Pessoas com doença pulmonar crônica podem ter um organismo mais delicado, perdendo peso e massa muscular com muita facilidade, o que não é ideal. Por isso, o acompanhamento com apoio do nutricionista é altamente indicado. 

Com isso, é possível orientar sobre uma dieta capaz de atender as necessidades calóricas para manter peso e massa muscular, mantendo uma ingestão equilibrada de nutrientes e alimentos, também para evitar exageros. 

Assistência psicológica 

A doença pulmonar altera bastante a rotina do paciente e pode fazer com que ele não seja capaz de executar certas tarefas que demandam condicionamento físico, mesmo aquelas que ele era acostumado a praticar anteriormente. 

Assim como eventos traumáticos e internações, esse quadro pode gerar problemas psicológicos, como depressão e ansiedade. Por isso, pode ser necessário incluir aconselhamento, terapia ou até mesmo o uso de remédios para controlar o estresse emocional associado a DPOC. 

Eletroestimulação neuromuscular 

A aplicação de impulsos elétricos para contração da musculatura é uma forma de fortalecimento do corpo sem demandar condicionamento e sem causar carga cardiorrespiratória adicional. O dispositivo fica sobre a pele e envia pulsos para contrair e trabalhar os músculos. 

É mais comum em pessoas em condições mais severas, tanto problemas pulmonares como cardíacos. 

Medicamentos para reabilitação pulmonar 

O tratamento de DPOC pode incluir o uso de medicamentos diversos, como broncodilatadores e corticoides. Nesse caso, o programa de reabilitação pulmonar servirá para orientar o paciente a respeito da ingestão adequada desses remédios. 

É essencial assegurar que a pessoa está seguindo as orientações corretamente, além de verificar se a expectativa para a medicação está sendo alcançada. Também é importante acompanhar a ocorrência de eventuais efeitos adversos, preservando o conforto e bem-estar do paciente. 

Resumindo… 

A reabilitação pulmonar é um esforço complexo e persistente, que contém objetivos de médio e longo prazo, visando melhorar a qualidade de vida do paciente, trabalhar o condicionamento físico, promover o bem-estar físico e mental, além de diminuir o número de hospitalizações. 

Esse programa pode ser indicado para pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, problemas cardíacos, câncer e também após infecções respiratórias graves, como a covid-19. Pessoas que tiveram que se submeter ao tratamento intensivo costumam sofrer enfraquecimento da musculatura respiratória, logo a necessidade de iniciar a reabilitação pulmonar. 

Por fim, destacamos que esse tipo de tratamento demanda dedicação e comprometimento, bem como a participação de variados especialistas em saúde e também dos familiares e amigos do paciente.  

A reabilitação pulmonar pode diminuir ou cessar as sequelas de infecções respiratórias, aliviar bastante os sintomas de DPOC e permitir que a pessoa nessas condições viva com mais tranquilidade, disposição e bem-estar. 

Esperamos que as informações apresentadas tenham sido úteis e ajudem tanto pacientes quanto familiares a lidar com o tratamento. Para mais dicas de saúde e bem-estar, continue ligado no Portal da Saúde. Até a próxima!

Referências consultadas

Manuais MSD [Internet]. Considerações gerais sobre o programa de reabilitação pulmonar. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-pulmonares-e-das-vias-respirat%C3%B3rias/reabilita%C3%A7%C3%A3o-para-dist%C3%BArbios-pulmonares-e-das-vias-respirat%C3%B3rias/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-o-programa-de-reabilita%C3%A7%C3%A3o-pulmonar. Acesso em março/2022.

Ries AL, Bauldoff GS, Carlin BW, Casaburi R, Emery CF, Mahler DA, et al. Pulmonary Rehabilitation: Joint ACCP/AACVPR Evidence-Based Clinical Practice Guidelines. Chest. 2007;131(5 Suppl):4S-42S.

Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease. Estratégia Global para Diagnóstico, Condução e Prevenção da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Bethesda: National Institutes of Health, National Heart, Lung, and Blood Institute; 2006.

Riario-Sforza GG, Incorvaia C, Paterniti F, Dugnani N, Fumagalli M. Different outcomes of pulmonary rehabilitation in patients with COPD with or without exacerbations. Monaldi Arch Chest Dis. 2005;63(3):129-32.

Manuais MSD [Internet]. Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-pulmonares/doen%C3%A7a-pulmonar-obstrutiva-cr%C3%B4nica-e-doen%C3%A7as-relacionadas/doen%C3%A7a-pulmonar-obstrutiva-cr%C3%B4nica-dpoc. Acesso em março/2022.

Santanaa AV, Fontanaa AD, Pittaa F. Pulmonary rehabilitation after COVID-19. J Bras Pneumol. 2021;47(1):e20210034

Se for gripe, Benegrip!

Imagem ilustrativa com embalagens dos produtos Benegrip, Benegrip Multi Dia, Benegrip Multi Noite e Benegrip Multi. Em fundo laranja, com o texto escrito

Benegrip tem a linha mais completa* do mercado para o tratamento dos sintomas de gripes e resfriados. Para promover o bem-estar e te ajudar a enfrentar a gripe , Benegrip está disponível em diferentes versões, para variados momentos e necessidades de toda a família!

Benegrip: versão tradicional e eficaz contra os sintomas da gripe. Com o poder dos 2 comprimidos (verde e laranja), combate as dores, febre, congestão nasal. Saiba mais sobre Benegrip

Benegrip Multi: antigripal líquido infantil para crianças a partir de 2 anos. Sua fórmula é feita à base de paracetamol, que combate as dores e a febre. Além disso, tem descongestionante e antialérgico que ajuda a acabar com o nariz entupido. Conheça o Benegrip Multi para cuidar da gripe das crianças!

Benegrip Multi Dia e Multi Noite: Fórmulas pensadas especialmente para os diferentes sintomas do Dia e da Noite e com forte** poder analgésico e descongestionante. A versão Dia não dá sono e contém descongestionante nasal. Já a versão Noite tem antialérgico e ajuda a dormir melhor. Veja como Benegrip Multi Dia e Multi Noite podem te ajudar.
*Linha com a maior quantidade de SKUs do mercado de antigripais. Fonte: IQVIA-PMB Mar/21. **Fórmula com alta concentração de ativos (800mg de paracetamol + 20mg de fenilefrina)