Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Para mais informações, acesse o nosso Aviso Externo de Privacidade.

A gripe bacteriana existe? Saiba tudo sobre o tema!

14/05/2022 gripe bacteriana

A gripe, como sabemos, é uma infecção respiratória causada pelo vírus da Influenza, que provoca sintomas clássicos como febre, dor de cabeça, fadiga, entre outros. Ainda assim, é comum encontrar citações apontando para uma gripe bacteriana, em geral com sintomas bem similares. 

Mas o que pode ser essa doença, já que a Influenza tem origem apenas viral?  

Para responder essa pergunta, vamos entender quais os sintomas associados e o que é apontado como gripe bacteriana. Com essas informações, podemos listar os principais suspeitos e mostrar como a gripe comum se compara a eles. 

Quer saber como diferenciar gripe viral de “bacteriana”? Então continue lendo!  

O que é gripe bacteriana? 

Na prática, a gripe bacteriana simplesmente não existe. Isso porque a gripe comum, conhecida como Influenza, é causada exclusivamente por um vírus. Este pode ser do tipo A, B ou C, provocando diferentes variantes da doença, mas que em geral apresenta os mesmos sintomas clássicos. 

Então, por que se fala em gripe bacteriana? 

Em geral, isso se deve ao fato de que infecções no sistema respiratório, sejam elas virais ou bacterianas, apresentem algumas similaridades no quadro de sintomas e até mesmo no tratamento. 

Como a gripe é uma doença muito popular, temos o hábito de utilizar essa nomenclatura para qualquer quadro onde a pessoa se queixa de dor de cabeça, coriza, congestão nasal, tosse e febre. Falando nisso, os “sintomas da gripe bacteriana” costumam ser os seguintes: 

  • Coriza; 
  • Dor de cabeça e nas articulações; 
  • Mal-estar no corpo; 
  • Fadiga; 
  • Tosse e garganta inflamada; 
  • Náuseas e vômitos; 
  • Febre súbita; 
  • Calafrios. 

No entanto, vírus e bactérias apresentam particularidades importantes no método adequado de combate, fazendo com que essa pequena confusão no diagnóstico possa complicar o tratamento. 

Diferenças entre infecções virais e bacterianas 

Apesar de parecer inicialmente um equívoco de menor impacto, o uso do termo gripe bacteriana pode prejudicar um diagnóstico e tratamento adequado, já que existem certas particularidades na evolução e no combate as infecções de origem viral ou bacteriana. 

Bactérias são seres unicelulares, que sobrevivem em diferentes ambientes com mais facilidade que os vírus, sem a necessidade direta de um hospedeiro vivo. Dessa forma, elas podem ser transmitidas não só pela saliva, mas também ao ingerir alimentos contaminados. 

Uma das formas de combater e prevenir infecções bacterianas é o tratamento com antibióticos, no entanto, fazer uso desses medicamentos de forma inadequada, como tomar para tratar um vírus ou parar de ingerir o remédio antes do prescrito, pode ajudar a criar bactérias mais resistentes à medicação. 

Os vírus são microrganismos menores em relação as bactérias, que requerem um organismo hospedeiro vivo para poder se reproduzir. Eles invadem as células, interrompem o seu funcionamento padrão e usam sua estrutura para se multiplicar. 

Eles até podem sobreviver em superfícies, porém, por tempo limitado. Em questão de horas ou poucos dias, eles não resistem. Enquanto isso, bactérias necessitam apenas das condições certas em relação a umidade, temperatura e outros fatores ambientais, podendo sobreviver e multiplicar por longos períodos. 

De modo geral, infecções virais podem apresentar uma duração maior do que as causadas por bactéria, mas é muito difícil utilizar apenas esse aspecto para determinar a causa da doença.  

Além disso, sem o tratamento adequado, patógenos oportunistas podem se aproveitar do organismo debilitado para sua própria invasão. 

Isso significa que uma gripe (infecção viral), sem o tratamento correto, pode abrir uma brecha para a contaminação por bactérias, como é o caso da tuberculose e de variantes da pneumonia. 

A coloração do muco nasal funciona como um bom indicativo de qual a classificação do causador dos sintomas sentidos. Quando o catarro está mais claro, de coloração esbranquiçada ou transparente, possivelmente se trata de uma infecção viral, já para tons mais escuros, pode ser bacteriana. 

O que pode ser uma gripe bacteriana? 

Se gripe bacteriana não existe, o que pode estar por trás dos sintomas e que possui origem bacteriana? É isso que vamos ver agora. Confira alguns exemplos de infecções bacterianas que atingem o sistema respiratório: 

  • Pneumonia; 
  • Tuberculose; 
  • Bronquite; 
  • Sinusite; 
  • Rinite; 
  • Otite; 
  • Meningite; 
  • Coqueluche; 
  • Faringite. 

Nesse caso, é importante destacar que algumas dessas infecções também podem ser provocadas por vírus, apresentar sintomas parecidos e variar bastante quanto a severidade do quadro. No geral, os exemplos mais graves são: 

Pneumonia bacteriana 

É uma infecção de natureza grave, com risco de fatalidade, que atinge os pulmões e prejudica a capacidade de respirar. É uma das principais complicações da gripe, causada principalmente pela bactéria Streptococcus pneumoniae, que se aproveita do organismo enfraquecido para se espalhar. 

Ela pode ser causada por outras bactérias e tende a não ser contagiosa. O tratamento principal é feito com antibióticos e pode ser necessário a internação do paciente, sobretudo em grupos de risco, como crianças pequenas e idosos. 

Os sintomas da pneumonia bacteriana são: 

  • Febre alta, que pode superar os 39 ºC; 
  • Muito cansaço; 
  • Mal-estar no corpo; 
  • Dor no peito e falta de ar; 
  • Respiração curta ou dificultada; 
  • Tosse com catarro; 
  • Muco com coloração amarela ou esverdeada. 

Tuberculose 

A tuberculose é outra infecção bacteriana causada por microbactérias como o bacilo de Koch ou Mycobacterium tuberculosis, entre outras. Ao contrário da pneumonia, é altamente transmissível, principalmente por meio da saliva contaminada dispersa ao falar, tossir ou respirar. 

Ela pode ser pulmonar ou atingir outras partes do corpo. O tratamento pode evitar a complicação de uma infecção generalizada, onde a bactéria atinge diversas estruturas do organismo ao mesmo tempo e pode causar fatalidades, bem como permitir a entrada de novos invasores no corpo já enfraquecido. 

Os sintomas da tuberculose se relacionam ao órgão afetado, no caso de atingir os pulmões o quadro costuma conter os seguintes: 

  • Dificuldade de respirar; 
  • Tosse persistente, com duração superior duas semanas; 
  • Tosse seca ou carregada, podendo haver presença de sangue; 
  • Dor no peito, principalmente ao tossir; 
  • Cansaço; 
  • Suor noturno; 
  • Febre. 

De modo geral, o diagnóstico para essas doenças é feito por meio de exames clínicos, como cultura bacteriana, baciloscopia e outros testes, complementado com exames de imagem, como raio-X. O tratamento varia em cada caso e deve ser seguido à risca para maiores chances de recuperação. 

E então, ficou claro ou ainda há dúvidas sobre a gripe bacteriana? Sabemos que o tema pode ser confuso, mas o importante é se atentar aos sintomas, observando a ordem que eles aparecem, intensidade, duração e características gerais. 

Tudo isso pode ajudar o seu médico a determinar os exames mais adequados para obter um diagnóstico preciso com maior agilidade, ganhando tempo para iniciar o tratamento correto. 

Continue ligado no Portal da Saúde para mais informações sobre doenças, dicas de saúde e informações sobre prevenção e imunidade.

Referências consultadas

World Health Organization. Influenza (seasonal). Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/influenza-(seasonal). Acesso em março/2022

Biblioteca Virtual da Saúde. Pneumonia. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/pneumonia-5/. Acesso em março/2022.

Biblioteca Virtual da Saúde. Tuberculose. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/tuberculose-21/. Acesso em março/2022.

UFJF – Departamento de Imunologia, Microbiologia e Parasitologia. Bactérias associadas às infecções do trato respiratório. Disponível em: https://www.ufjf.br/microbiologia/files/2013/05/Bact%c3%a9rias-associadas-%c3%a0s-infec%c3%a7%c3%b5es-do-trato-respirat%c3%b3rio.pdf. Acesso em março/2022.

Se for gripe, Benegrip!

Imagem ilustrativa com embalagens dos produtos Benegrip, Benegrip Multi Dia, Benegrip Multi Noite e Benegrip Multi. Em fundo laranja, com o texto escrito

Benegrip tem a linha mais completa* do mercado para o tratamento dos sintomas de gripes e resfriados. Para promover o bem-estar e te ajudar a enfrentar a gripe , Benegrip está disponível em diferentes versões, para variados momentos e necessidades de toda a família!

Benegrip: versão tradicional e eficaz contra os sintomas da gripe. Com o poder dos 2 comprimidos (verde e laranja), combate as dores, febre, congestão nasal. Saiba mais sobre Benegrip

Benegrip Multi: antigripal líquido infantil para crianças a partir de 2 anos. Sua fórmula é feita à base de paracetamol, que combate as dores e a febre. Além disso, tem descongestionante e antialérgico que ajuda a acabar com o nariz entupido. Conheça o Benegrip Multi para cuidar da gripe das crianças!

Benegrip Multi Dia e Multi Noite: Fórmulas pensadas especialmente para os diferentes sintomas do Dia e da Noite e com forte** poder analgésico e descongestionante. A versão Dia não dá sono e contém descongestionante nasal. Já a versão Noite tem antialérgico e ajuda a dormir melhor. Veja como Benegrip Multi Dia e Multi Noite podem te ajudar.
*Linha com a maior quantidade de SKUs do mercado de antigripais. Fonte: IQVIA-PMB Mar/21. **Fórmula com alta concentração de ativos (800mg de paracetamol + 20mg de fenilefrina)